Areia no deserto


Eu aqui pensando como essa coisa de afazeres e obrigações é um areia movediça.

Estás de pé lá no alto. Pleno e digno de contemplar o horizonte.

De repente, avistas algo. Pode ser uma nuvem. Um sonho. Uma miragem.

Começas a te mover lentamente e já nos primeiros passos percebes que teus pés estão mais fundos no chão.

Tens medo. Não queres mais o sonho. Ele está tão distante!

Queres te agarrar a alguma coisa concreta. Esse negócio de andar por areia fofa não é muito sólido.

Encontras algo que te chame a atenção do lado. Geralmente um objeto. Pode ser um carro a poucos metros.

Vais atrás dele, rápido. Não cuidas de andar devagar e afundas até os joelhos.

Mesmo assim, alcanças o carro e te agarras nele, para que não afundes mais. Esse carro bem que poderia estar na garagem de uma boa casa. Avistas ela a poucos metros de distância. Quando ela surge, sentes uma pressão e a areia sobe até a cintura.

Seguras na porta do carro, tentando se soltar da areia, mas teus movimentos já não são mais os mesmos. Não tens a mesma liberdade.

Mesmo assim, te viras. És homem de força e luta. Consegues te soltar um pouco e vês a casa vazia. Queres ela cheia de objetos.

Ela pesa mais quando as coisas surgem. Estás com areia até o pescoço agora.

Até que tens sorte. Surge alguém para te estender uma mão. Uma pessoa nova no horizonte.

Se esse alguém andar devagar e não quiser tantas outras coisas, será o suficiente.

É alguém livre.

Mas se esse alguém cometer os mesmos erros, pode te afundar até mais rápido e afundar-se também.

A vida é assim. Estás tranquilo. Lembras que tem alguma coisa a fazer. Um compromisso.

Se for algo fértil, vai vir terra. Senão, só enches de areia ao teu redor.

O detalhe é que quem coloca e escolhe a areia da gente somos nós mesmos. O livre arbítrio dos compromissos próprios.

De fato ficar parado não dá muito certo. Mover-se é necessário. O sol de um dia inteiro queima, o frio da noite exige agasalho.

Fato também que se tivesses andado leve e manso na areia dos sonhos bons ou a tivesse misturado a adubo fértil, teu caminho até ela seria longo, porém menos complicado.

Estou aqui pensando na minha areia movediça. Em quais terras e vasos eu quero plantar. Quais as areias quero me arriscar ou mover.

Compromissos.

Compro a missão ou dou um sumiço?

A vida há de me dizer.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Areia

Menino, também não te prometo nada. Já tens mais que 10 minutos. Já tens mais que um ano de idade, mas não. Não te prometo nada. És bonito. Eu sei. A vida te reservou uma beleza exterior que eu não t